• IMG_1338
  • GOPR38551
  • IMG_16691
  • DSC028631
  • Slider1

Amman: Jordânia Parte 2

Passado o encanto com o pôr do sol incrível da chegada, Amman à noite parecia um favelão gigante. Como o taxista teve dificuldade para encontrar nosso hotel rolou uma tensão. Chegamos no Arabian Suites, às sete da noite e já era bem escuro. O hotel parecia longe dos agitos e estávamos certos que não conseguiríamos fazer muita coisa naquele dia.

Nosso apartamento tinha 2 quartos, sala, cozinha e banheiro. Decorado como a casa da vovó e super confortável. Ótima internet. E quando deixamos as trouxas e fomos perguntar aonde poderíamos jantar, uma surpresa…

Feira Noturna no centro de Amman

Quem estava na recepção era o dono dos apartamentos, Haraj (estou inseguro se esse é mesmo o nome dele, em todos os casos o nome do filho dele estava no cartão. Abu Hazim). Ele ficou indignado que ficaríamos tão pouco tempo. “Nunca recebi brasileiros, Amman precisa de brasileiros!” O vovô tirou o próprio carro da garagem e nos apresentou a cidade de um jeito incrível. Entramos em feiras e vielas. Fomos a uma exposição de fotos na praça Paris e ele ainda pagou a janta e a sobremesa. Falafel de baraquinha e Knaf, um queijo de cabra, coberto com cabelinhos de anjo doce e pistache. Uma explosão de sabor. Muito diferente. Experimentamos em Wadi Musa também, mas o bom mesmo é esse do centro de Amam, todo mundo conhece, é só perguntar. A fila é quilométrica. Ainda rolou em outra barraca uma canjica, tipo um mingauzinho com canela.

Flagra da alegria coagida estampada na cara. Tamara esperando seu Knafe na bisrosquinha da arabada

Ficamos tensos o tempo todo achando que o véinho ia nos dar uma facada pelo tour; e na manhã seguinte, quando ele nos cobrou apenas a hospedagem, rolou até um remorso. Apartir dali, tirei meu pezinho de mineiro de trás e resolvi curtir a (nunca vista igual) hospitalidade jordaniana.

Na manhã seguinte, ele ainda nos conseguiu um taxista que por 45JDs nos levou para conhecer o teatro romano e as ruínas do Templo de Hercúles, que ficam no topo da cidade, com uma vista panorâmica incrível de 360º. Por causa do bom clima, do solo fértil do Vale do Rio Jordão e, consequentemente, da prosperidade atual, quase metade da população da Jordânia está concentrada na zona da capital. E daqui de cima, os olhos debruçam por esse mar ondulado de casinhas e prédios brancos. A cidade, por causa de uma lei municipal, tem todos seus edifícios revestidos com a pedra local, o que confere esse tom uniforme.

Abib´llal, o motorista, nos levou para comer um sanduichão de rua no maior clima de ‘vou ter uma disenteria’, mas delicioso (aliás come-se muito bem para esses lados) e dali partimos para Madaba, há 30 km da capital para ver um mosaico romano numa igreja grega ortodoxa de São Jorge. E para o Monte Nebo, onde Moisés avistou a Terra Santa e, acredita-se, foi enterrado. Cenário de cinema. O panorama é impressionante, mas Deus deve ter dado à Moisés o Olho de Thundera e a visão além do alcance, porque mesmo com um dia limpo é difícil ver de verdade o lado oposto do Mar Morto, onde fica Israel, logo Jerusalém.

Por fim, ele nos deixou na rodoviária e pegamos uma kombi pau de arara para Petra. 3 horas e meia pelo deserto, um kebab de fígado de galinha incrível, arabian dance music e muita paixão pela Jordânia.

Almoço rápido no maior estilo “vou ter uma desinteria’!

Almoço rápido no maior estilo “vou ter uma desinteria’!

 

Informações: Essas vans são super baratas e saem de acordo com a lotação para Wadi Musa, porém o jeito mais confortável é um ônibus executivo que sai apenas as 6:30 da matina. Não estou certo sobre o preço, mas não era nenhum absurdo.

Arabian Suites; Achei pelo booking.com. Abdali, Marwan Elthani Street, building number 52, Amman, 11190. Apartamento de 2 quartos para 3 pessoas 46JDs.

Se não ficar neste hotel, as melhores áreas para se hospedar é perto da Rainbow Street ou no círculo 5, onde estão os hotéis e restaurantes mais chiquezinhos.

Ammam não tem transporte público eficiente. Infelizmente, os bate-voltas que apresentarei também deverão ser feitos de taxis, taxis compartilhados ou agências de viagens. Em contra partida, os táxis são baratos. Negocie antes.

   Plano para Ammam:

1º Cidadela ou Templo de Hércules: Vista panorâmica espetacular. Fui bem cedinho, mas dizem que também é linda ao entardecer. A capital era conhecida por Filadélfia, batizada com o nome do imperador romano Filadelfo. Anteriormente era conhecida por Rabbath-Ammon. Amman é uma das mais antigas cidades do mundo permanentemente ocupadas.

2º Teatro Romano: Se estiver vindo da cidadela, é fácil chegar a pé, pois é só descida. Pertinho dali está a Abu Mohasen Workshop. Uma oficina de mais de 100 anos na confecção manual de adagas. Imagine você acompanhar a manufatura de sua própria adaga personalizada, um símbolo da realeza jordaniana, não consigo pensar num souvenir melhor.

3º Centro: Dê uma volta pelo centro. Coma nos mercados e feiras. Lembre-se do doce que falei: Knaf! De noite pode ser ainda mais interessante.

King Faysal e Hashemi Streets são as duas principais avenidas no coração de Amman, ali você vai achar desde Louis Vuitton Chino até jelbabs, aqueles vestidos longos usados pelas islâmicas. E não são lojas para turistas não, o que pode ser um problemas pela barreira da língua. Encarne o mímico, use palavras soltas em inglês e negocie. Muito.
Rainbow street é caro e turistão, mas acho que vale uma passadinha no fim da tarde para ver as lojas e coffe shops ou quem sabe um café com vista panorâmica para ver as luzes se acenderem enquanto o sol cai.

Knafe. Queijo de cabra, coberto com cabelinhos de anjo doce e pistache

Jelbabs. Os vestidos tradicionais das islâmicas

Jelbabs. Os vestidos tradicionais das islâmicas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja a Galeria de Fotos: Jordânia | Fotos

3 Comentários

    Célia | Em 08/09/2014
  1. Oi Fellipe, adorei sua reportagem. Uma dúvida: voces estavam agasalhados à noite e sua companheira de calça comprida no de de calça comprida no deserto…estava frio? Irei p/Dubai e Jordania no sábado 13.09.14 e estou indecisa c/ roupa. Inclusive gostaria de ir p/ deserto de bermuda (imaginei que fosse calor). Aguardo sua resposta.Abço,celia

  2. Fellipe Archanjo | Em 08/09/2014
  3. Célia, você vai pegar o final do verão e o início do outono, acredito que as temperaturas serão mais agradáveis do que as que peguei. Os dias eram quentes, mas as tardes e noites foram bem frias. Setembro e Outubro são meses ótimos para viajar para lá. Rola fazer o deserto de bermuda sim, mas eu levaria um agasalho para os fins de tarde. Aproveite muito sua viagem e se descobrir algo que não fiz, volte aqui para contar. Vai ajudar o próximo viajante.

  4. Célia Caldeira | Em 09/09/2014
  5. Gratidão Fellipe!!!!Dicas super legais. Se eu descobrir algo diferente te aviso. Muito obrigada pela tua atenção e ótimas viagens!!!!.Abraço, Célia