• IMG_1338
  • GOPR38551
  • IMG_16691
  • DSC028631
  • Slider1

Huasteca Potosina

Descobri a região de Huasteca Potosina por acaso, vendo a foto da incrível Cachoeira de Tamul. A partir daí encontrei os jardins surrealistas de Edward James e minhas pesquisas levaram a visita inevitável a esta região ao norte do México.
Absolutamente nada era o que imaginei, talvez uma floresta densa debruçada sobre montanhas. Lá é um lugar que parou no tempo, tem a beleza do interior de um país ainda não descoberto. Nada de floresta. É uma roça… Pessoas simples e seu cotidiano. Dedé (meu companheiro nessa viagem) e eu éramos quase os únicos turistas gringos. Não tem um chinês com sua máquina fotográfica, acredita? Como não tem turistas, quase não se vê artesanato, quase todas as lojinhas vendem cacarecos e brinquedos como aqueles do Paraguai. Os pontos mais conhecidos são explorados pelos próprios mexicanos. Os dias passaram lentos, parece que ficamos muito mais do que os dias contam e o contato com as pessoas é fácil pelos sorrisos largos e brilhantes dos dentes de ouro.
Cascata de Tamul, um dos pontos mais incríveis da Huasteca Potosina.

Cascata de Tamul, um dos pontos mais incríveis da Huasteca Potosina.

 
Como chegar:
Havia opção de alugar um carro e ir direto para a primeira cidade base, Xilitla (mais ou menos a 7hs de carro da capital), porém eu optei por pegar um vôo até a cidade de Tampico, cidade litorânea no Golfo do México, e seguir mais 3:30hs com carro alugado.
Quem não dirige ou não gosta, pode usar Ciudad Valles como base. É uma cidade maior, com mais opções de agências para os passeios.
San Luis de Potossi é a entrada para o outro extremo da Huasteca Potosina. Tem muitas coisas para fazer, mas longe do que eu realmente queria, por isso não visitei.
Pegamos um temporal nas três horas e meia de viagem no caminho de Tampico a Xilitla o que nos deixou apreensivos. Eram as chuvas tardias ainda do fim do verão. Isoladas e não atrapalharam os passeios. (Era final de outubro).
mapa
 
Cidades Bases
Fiz base em Xilitla e Tamasopo. A primeira, tombada pelo patrimônio, guarda os casarões coloridos da época colonial que contrasta com o castelo surrealista de Edwardo James.
Tamasopo é bem mais simples e, talvez por isso,  ainda tenha ficado mais feliz. Todos os passeios da região são feitos em DayTrips saindo de Xilitla ou Ciudad Valles (bem maior) deixando toda aquela riqueza só pra mim.
Fora que a cidade é rodeadas de cachoeiras e vales que parecem cenários de filmes de fantasia. Só não consegui nadar de sunga, tive que usar shortão, estava me sentindo muito exótico.
Peguei a pré celebração do dia dos mortos com festa na praça, com música e dança no coreto. Nada era para turista, tudo era para eles. Cru como deveria ser. Lindo, lindo!
Jardim Surrealista de Edwardo James

Jardim Surrealista de Edwardo James (Foto do Google)

Roteiro
Dia 0 – Vôo de chegada ao Mexico + vôo para Tampico + viagem de carro (eita, foi chão!). Cheguei no fim da tarde à Xilitla
1o dia – Povoado de Xilitla e Jardim Surrealista.
Passeios feito por conta própria.
2o dia – Visita e rapel no Buraco das Andorinhas. Quarta maior caverna vertical do mundo e berço dos Andorinhões;
E a Cascata de Tamul. Dormimos na segunda cidade base: Tamasopo.
3o dia – Puente de Dios. Cascata Tomasopo e Cascata de Micos
4o dia – Eu usei para conhecer Tampico, pois meu voo saia no dia seguinte bem cedo, mas teria sido melhor voltar para alguma das cachoeiras para apenas curtir o dia.
 
Links:
Roteiro México
Huasteca Potosina. Dia 1: Xilitla e Las Pozas de Edward James
Dia 2: Sótano de las Golondrinas e Tamul
Dia 3 e 4: Cascatas de Tamasopo e Tampico

0 Comentários