• IMG_1338
  • GOPR38551
  • IMG_16691
  • DSC028631
  • Slider1

Coloque Luxemburgo no seu roteiro!

O menor país da União Europeia era uma interrogação enorme no meu roteiro. Claro que como bom virginiano eu pesquisei antes, mas as informações, e até as fotos que eu via, eram mais ou menos as mesmas. E por que eu fui? Porque estava no meio do meu caminho, poxa. 😉 Resolvi incluir Luxemburgo indo de Paris à Bruxelas na pretensiosa ânsia de conhecer todos os cantos do mundo.

Luxemburgo se descobre lá. Se você não tem uma ligação pessoal com o país, não dá para dizer que é um lugar imperdível, mas garanto que se incluir no seu roteiro você vai se surpreender.

A capital tem um charme peculiar – Medieval como muitas cidades europeias a primeira vista, Luxemburgo city transita no paradoxo do novo e do velho sem agressão. E como se a natureza tivesse pedido licença para invadir ruínas, casarões antigos, palácios e até a zona nova e moderna da cidade.

Tudo é harmonioso, limpo, florido, bem cuidado e conservado. E como se o futuro respeitasse a máxima luxemburguesa “Mir wölle bleiwe wat mir sin”– Queremos permanecer aquilo que somos.

Como chegar

No meu caso, viajei 2hs de trem vindo Paris (TGV) e depois mais 3hs até Bruxelas. Luxemburgo ainda está colada na Alemanha. Portanto dá até para fazer um bate e volta se você estiver por ali.

A estação de trem foi construída no começo do séc XX, substituindo a antiga estação de madeira. Repare na pintura no teto do hall principal da estação, é um mural de um artista local, Armand Strainchamps. Ali tem um escritoriozinho de informações turísticas para pegar um mapinha da cidade e algumas dicas de onde ir ou comer. O povo foi muito simpático comigo.

A estação de trem esta relativamente perto dos lugares de interesse e com um pouco de disposição dá para fazer a pé, mas existem ônibus para os mais preguiçosos.

Como eu disse, o país não costuma ser destino final da grande maioria dos viajantes, mas possui aeroporto há 5 km da capital, o Luxembourg-Findel Airport (LUX)

Os ônibus 9 e 16 saem do aeroporto e vão até a estação de trem fazendo várias paradas na cidade por 2 euros. Se já estiver com seu hotel marcado no mapa você tem uma chance significativa de descer perto dele. (Baixe o app “citymaps2go”, é GPS que não usa sinal de internet, uma mão na roda). Táxi ficam em média por 30 euros.

Tanto no aeroporto quanto na estação existem lockers para deixar a mala para quem estiver fazendo um daytrip. Fique de olho no horário de funcionamento apenas. No aeroporto é grátis, mas só funciona de 9 às 18hs.

Promontório de Bock

Quanto tempo

Cheguei no final de uma tarde e fui embora mais ou menos no mesmo horário do dia seguinte. Um daytrip é perfeito para conhecer a capital que é bem pequena, mas sempre fico também uma noite nestas cidades de um dia”. San Marino, Brugges, pequenas cidades da Toscana… costumam ficar super charmosas à noite sem o movimento frenético de turistas.

Infelizmente, e vou ter que voltar por isso, não conheci a Floresta de Ardennes e seus castelos, ou Müllerthal, a pequena suiça. Pelo que pesquisei (Só agora!!!) vale a pena conhecer.

Recomenda-se alugar um carro para otimizar sua viagem para estes lados, mas é possível chegar combinando trem + ônibus. Não lembro de ter visto tours comprados. Com 3 ou 4 dias o país pode ser bem explorado.

 O que ver na capital

Eu fiquei num hotelzinho perto da estação de trem e, saindo de lá, comecei o passeio atravessando a Ponte Adolphe até a Praça da Constituição debruçada sobre o Vale do rio Petrusse. A vista é linda e super fotogênica, e olha que eu tinha uma máquina compacta furrequinha nesta viagem.

Ponte Adolphe e o Vale do rio Petrusse.

Praça da Constituição debruçada sobre o Vale do rio Petrusse.

Vale do rio Petrusse.

La grande fleur

La grande fleur

Philharmonie Luxembourg

Philharmonie Luxembourg

Era a primeira que eu estava viajando completamente sozinho e, por insegurança, resolvi pegar ali na praça mesmo um destes ônibus sightseeing para mapear a cidade. O ticket custou 14 euros para 24hs. Não arrependi porque ele vai até a parte moderna da cidade, o Plateau kirchberg, que é afastada e bem interessante, cheia de obras de arte, prédios e condomínios de luxo, inúmeros bancos e companhia de seguros que contrastam tanto com o centro; tanto que eu fiz a volta completa mais de uma vez depois que conheci tudo, porque fiquei surpreendido mesmo com a harmonia do antigo com o moderno.

A Grana corre solta neste lugar, o país já viveu da extração de minerais, mas hoje vive principalmente com base no setor bancário, assim como a Suiça. São mais de 150 instituições de crédito e ainda é sede do Tribunal de Justiça Européia e do Banco Europeu de investimentos. Luxemburgo tem uma economia altamente desenvolvida, com um dos maiores PIB per capita do mundo, e tem parte dele doado para o desenvolvimento de outros países, tornando-se o terceiro país mais generoso do mundo neste quesito.

Não é um país barato. Se quiser comer bem, por exemplo, vai deixar uma graninha lá. A cidade não é pouca bobagem não. Ela tem 8 restaurantes estrelados pelo guia Michelin.

Promontório de Bock, casamatas

Voltando para o centro antigo, resolvi matar logo o Promontório de Bock, um paredão de pedra escavada por uma porção de gente (as casamatas), começando pelos romanos em 963, para servir como a maior fortaleza que a Europa já teve, até ser usada de refúgio nas grandes guerras mundiais, onde mais de 35 mil pessoas foram protegidas dos bombardeios graças a estes esconderijos. Entrada 5 euros.

Em 1994, a UNESCO inscreveu Luxemburgo como Patrimônio Mundial.

Visitado as casamatas, fui andando sem rumo certo a procura do Palace Gran Ducale. A dica é curta os detalhes: nas torres pontudas das igrejas, nas máscaras e gárgulas escondidas nas fachadas dos prédios, nos jardins floridos de primavera ou nos tons pastéis do outono. A influência alemã e francesa esta presente não só na arquitetura, mas também na culinária e na cultura.

O luxemburguês é a língua oficial, mas a maioria dos habitantes fala inglês, alemão e francês.

No caminho, a Catedral da Abençoada Virgem e a Pça Guillaume II. Aqui tem outro escritório de turismo. Do outro lado da rua, a estátua de Guillaume em seu cavalo aponta a direção da residência oficial do ducado.

O palácio só fica aberto durante uma temporada entre julho e agosto. Eu fui em outra época e só vi de fora mesmo. Vi também uma chumbreguinha troca de guarda.

Catedral da Virgem Abençoada

Brasão do ducado de Luxemburgo

Palace Grand Ducale

 

Luxemburgo é o único grão-ducado ainda existente. Ele, o Duque, que representa sua democracia parlamentar. É um país laico. Vale lembrar também que é membro fundador da União Européia e da ONU e já foi designado duas vezes como capital europeia da cultura. Não é pouca merda não, viu?

Perdendo e me achando, cheguei a praça da Duquesa Charlote e dos ministério e descendo um pouco mais a Corniche, uma rampa com vista para toda a cidade baixa. E de novo as fortificações das Casamatas do Bock.

Vale dar uma volta na bucólica cidade baixa, o Grund. Ela é bem sinalizada, placas contam a história… é um passeio bem gostosinho.

Corniche

Grund

O que comer e beber

A culinária recebeu muita influência francesa e alemã, mas típico mesmo é o guisado de lebre e também o presunto de Ardennes. Peixes de água doce como trutas e lúcios também são especialidades.

Para beber: os vinhos brancos produzidos no Vale do rio Moselle ou uma cerveja luxemburguesa.

Datas legais para estar lá

22 e 23 de junho

É a data do maior evento do país, o Luxembourg Féte. Comemora-se a fundação do ducado e, por coincidência, o aniversário do próprio duque. Dizem que rola uma queima de fogos na  Pça da constituição à meia noite e música eletrônica até o amanhecer. Além da orgia gastronômica, danças e músicas tradicionais durante o dia.

Em julho, este ano foi dia 06,

Acontece o Rock um Knuedler, um festival de música gratuito que, geralmente, conta com a apresentação de alguns artistas internacionais.

Leia também:

Luxemburgo Além da Capital

 

Veja a Galeria de Fotos: Luxemburgo | Fotos

2 Comentários

    Júlia Araujo | Em 21/10/2014
  1. Adorei “conhecer”. Você me apresentou a cidade com o seu comentário. Só vou lá conferir. Parabéns! !

  2. Smithk87 | Em 23/04/2015
  3. Hello! Someone in my Facebook group shared this website with us so I came to check it out. I’m definitely enjoying the information. I’m bookmarking and will be tweeting this to my followers! Outstanding blog and superb design and style.